sexta-feira, 26 de março de 2010

Aquelas manhãs de domingo

Acordar e saber-se feliz.
Na cama clandestina,
dorme tranqüilo o homem amado.
Encantada, mal respira
e guarda na memória o calor dos corpos
que, sabe bem, tanta falta fará.