sexta-feira, 2 de abril de 2010

Acordar

De prata a lua me banha,
de ouro o sol me aviva
e pássaros me convidam a dançar.

Rimar sei tanto quanto sorrir.
Mas as manhãs, ora mais,
alimentam-me de rimas.

Nasce, então, do pouco que restou
algo que me arrasta para a vida
e que, de tão pequeno,
não posso destruir.

Levanto, pois.
Café, torrada, sambinha bom.
Ê coragem, cadê você?
Pra quê?
A vida, a vida, a vida...
Ela não está aí fora.
Está cá dentro,
me entranha
e me goza.

Contida?
Como quiser.
Como querer.

6 comentários:

Yuri disse...

acordo de despertar, ou de acordar (fazer um acordo) com algo..

Hilário Ferreira disse...

"Rimar sei tanto quanto sorrir..."
Ecoa e reverbera essa frase; quase como aquele lance de "dizei uma só palavra e serei salvo...". Às vezes algumas palavras incertas acertam a gente ,e a gente fica sem palavras quando alguém diz o que a gente quer dizer e a gente toma o alheio como nosso. Se tiver mais sentido uma forma mais simples: belo, quase como uma poesia esperando uma melodia.

Hilário Ferreira disse...

"Rimar sei tanto quanto sorrir..."
Ecoa e reverbera essa frase; quase como aquele lance de "dizei uma só palavra e serei salvo...". Às vezes algumas palavras incertas acertam a gente ,e a gente fica sem palavras quando alguém diz o que a gente quer dizer e a gente toma o alheio como nosso. Se tiver mais sentido uma forma mais simples: belo, quase como uma poesia esperando uma melodia.

Jôse. disse...

Despertar decorrente de uma série de acordos =]

Elô disse...

Jôse, amei teu blog!
poesia daquelas que alcança a alma e toca o coração.
fiquei emocionada e tudo lendo! :)
ganhou uma nova seguidora no blog \o

Rodrigo disse...

Que poesia triste Josy, não fica assim não, se você ficar triste eu fico triste também. =(