terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Lasciate ogni speranza

Até hoje esperei um milagre.
Contudo, atravessar este portal
deixou-me um gosto acre
e a esperança (qual?),
me despi dela.

Parece-me que a nudez da ilusão
é mais pesada.
Os ombros envergados,
as lágrimas represadas
e a trave na língua.

Só.
Sigo a solidão que é não precisar.

5 comentários:

Anônimo disse...

Isso é bom... os milagres ocorrem, se ocorrem, é quando já nao se espera mais...

Yuri disse...

O inferno são os outros...

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

gostei da leve sedução do poema, e do toque sexual

Rodrigo disse...

Adoro seu lado poético! É incrivelmente atraente. Pra mim, mais atraente que a poesia só a ciência.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.