terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Ora, se tua hora é chegada,

não se vá aos pedaços,

que uma facada só já me basta.

 

Ora, se teu tempo é chegado,

não conte nossos pecados

do que já se passou.

 

Diga apenas o que há de doce,

o bom e bobo dos amores,

a carne quente,

as noites ardentes,

os sussuros,

atrás de um muro,

manhãs de domingo,

a graça do perigo

e tudo mais que vivi contigo.

 

E não pergunte se bem eu fiquei,

o luto é lei

para que esse amor

não seja apenas delicadeza,

mas sentida dor.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

uma pausa sem versos.

Pode parecer óbvio, mas somente há muito pouco me veio a iluminação do porquê as pessoas fumam, razão que também está me tentando a fazê-lo. É simples: uma desculpa para afastar-se das pessoas sem ofendê-las. É perfeitamente justificável dizer:

- Vou ali fora, fumar um cigarro, volto logo…

No máximo diriam… ah… acabando com sua vida…. blablabla.

Já se fosse dito assim:

-Estou um pouco entediado, vou ali fora me entrenter com meus próprios pensamentos.

Já se sabe…

Outra: ocupa os momentos de ócio, sem prejudicá-lo.

E, por fim, encurta a vida.

Sou uma viciada a priori.

sábado, 20 de dezembro de 2008

Minguando…

Se não sabe o que quero.

uma contradança, senhor.

Se não sabes o que gosto,

palavras bonitas, senhor.

 

O que me desagrada é teu desagrado

teu destino desatinado

que tenta me excluir

mesmo que docemente.

 

Se não sabes o que sou,

mulher minguante, senhor.

Foi o que tuas palavras incisivas

fizeram e fazem de mim.

 

E preciosa já não sou,

mas guardo com zelo,

os restos tristes de meu sorriso,

que já te ofertei com tanto gosto.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Dignidade, antes que tarde II

Desculpa, não leio silêncios

Devias saber que só sei gerá-los,

Assim como gero culpas,

sem saber tê-las pra mim,

remoê-las

remoê-las

não…

Não sou senhora dessas coisas.

 

Sou senhora e só.

Medíocre e sozinha,

mas não o direi nunca mais.

Dignidade, antes que tarde.

Dignidade, antes que tarde.

Sabes que me mato

A hora é tardia

Mas tão logo

Não haverá hora alguma.

 

Uma perdição sem fim…

Agora volta a seu começo

E meu amor é apenas um adereço

Entojado, rejeitado sim, somente por ti.

 

Muito menos do que outrora fui

Sou agora

E não sem dor me refaço

Para sempre voltar a me perder

em teu descompasso,

em teu pulso fraco, mas decidido.

 

Um adeus seria mais digno.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

A Próxima Partida

Buscávamos algo em que crer.
Adoráveis pedaços de vida.
Apesar da perdida jornada,
aproveitamos o belo anoitecer.
Caiu a noite com pressa,
apossamo-nos das ruas desertas...
Principiamos a poder ver
esse suspiro perdido,
carinho preciso,
abraçamo-nos, por fim.
Ansiávamos por novas felicidades,
antes que a noite fugisse.

*

produzido em conjunto com Thomaz Rocha(http://euviacaradamorteeelamesorriu.zip.net)

*

Versão em senhas da reeceita federal:

APP

BAC
APV
APJ
ABA
CNP
ARD
PPV
ESP
CP
APF
ANF
ANF

quarta-feira, 19 de março de 2008

Tudo que eu queria era ser inclusa nas suas tarefas domésticas.

Um dia,
ser sua doninha,
uma noite,
ser sua pequena
e levantar cedo
para estar bonita
quando você acordasse.
E então,
Roubar seus olhares mais doces pra mim.

Em Londres,
perto de uma escada
ou entre mendigas molhadas da chuva,
te esperarei.
E nas nossas bodas de jequitibá
enjoarei das tuas sopas de ervilha.

Mas completamente
e infindamente
condenada a ti estou.

segunda-feira, 17 de março de 2008

Não sei por que caminhos andei outrora
para que a lua tenha resolvido me sorrir somente agora.
Não sei por quê andei por caminhos ermos outrora,
mas se a noite me sorri,
ao menos por hora,
perdão recebi.

Então a noite é de glória,
posto que renasci.
E agora desejo a aurora
morna e terna que jamais vi.