quinta-feira, 19 de julho de 2007

Sobre a menina e a solidão (1)

Rodando as idéias na velha esquina onde o vento (dentre outras coisas) faz a curva; a menina diz, em seu solilóquio pesaroso e tristemente consciente:
- Olha o coração.
Quem quer? Quem quer?
Quem é que precisa de colo e palavra meiga?
Quem é? Quem é?
Quem quer cheiros novos?
Novos sabores?
E melodias outras?
Quem quer? Quem quer?
Quem é que quer gente de verdade?
A menina quando triste...
A menina quando chora...
A menina quando fraca...
Quem é? Quem é?

[...]

- Olha o coração!
Pr'onde vai? Donde vem?
Quem sabe?
Olha, a solidão...
Donde vem? Quando vai?
Pr'onde vai? Será que vai?
Eu sei, eu sei...
Mas, por hora, é segredo.