quarta-feira, 6 de junho de 2007

Longe, longe, longe...
Os gatos, as papoulas e a pedra em forma de mão
As goiabas, as galinhas e o começo da minha terna solidão

Mundo, mundo, doce mundo...
Em qual de meus labirintos me perdi?
Quando foi que essa muralha começou a dividir meu reinado?

Em meus mapas, não há caminho de volta...
Não há volta.
Talvez meu erro foi acreditar que a felicidade estava além da cerca de estacas e arame que delimitava meu reino.