segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

Nas minhas fantasias reais,
você me pariu de mim.
Você foi a pá,
enquanto eu estava enterrada viva.
Foi o abrigo que eu não procurei
quando você se transformou em tiroteio.
Encantado e encantador,
alento e dor,
teus nãos e tuas ausências me consumindo...
Você, para quem eu sou os cantos de um mundo redondo,
para quem eu sou ponto cego,
para quem eu sou fundo.
VocÊ, meu amigo de outras vidas,
meu pai, meu irmão...
E agora, reta paralela a mim.
Só sei que o infinito ainda não é chegado
porque nós dois ainda não nos encontramos.

2 comentários:

Rodrigo disse...

Você acredita em reencarnação? Que animal você gostaria de ser na próxima vida?

Anônimo disse...

Algumas coisas, quando tendem ao infinito, acabam convergindo a algum ponto. Eu espero que você encontre um ponto e que ele seja o seu infinito...

Beijos e abraços ...

Augusto