quarta-feira, 22 de novembro de 2006

Sobre dragões e grama.

Ando por ruas que me escondem o teto do mundo

Ando tão solta

Ando tão pelo chão

Tão de passado

Estou na fila

A única na fila com olhos de quem não procura

Com olhos de quem não espera

Com olhos de quem apenas está sob o teto do mundo

A ímpar

A in-par

Estava ali

A dez metros

A dez anos-luz

É bom parar para ver o teto do mundo

É bom criar raízes em pleno vôo

Se você não estivesse de olhos fechados

Juraria que olhava pra mim

Conto os dias para ver o teto do mundo

Para subir nesse abismo

Ê você abismo

Ê, vou ser abismo

Só pra me abismar contigo sob o teto do mundo.