quinta-feira, 9 de novembro de 2006

*borboleta se transforma em loba má no verão

Amor, não finja não ver o vermelho do meu cabelo

não vermelho como antes (é que sem ti faltou sangue)

mas ainda vermelho.

Não olhe com desprezo para essas pernas

que só sentem saudades de se enlaçarem nas tuas.

Não olhe com descaso para esse quadril

que só quer ditar o ritmo dos teus olhos.

Não fuja dos meus olhos

como um dia fugi dos teus...

E agora,

pela estrada afora

(e adentro),

vou bem sozinha,

com saudades de Chapeuzinho Vermelho

e me abrigando em braços de lobos maus.

Em verdade, eu busco os lobos maus

só pra ver que também posso ser loba má

muito má.

Mas não tenha medo

sou eu que caminho

pela vida afora

(pela vida adentro)

sozinha

com saudades de Chapeuzinho Vermelho

e endoidecendo (com) lobos maus.