sábado, 9 de setembro de 2006

A cada choro há sempre a esperança de que através dos meus olhos saia algo mais que lágrimas.
Sangue talvez.
Talvez acompanhado de todo o fel que há em minh'alma.
Mas não.
Vejo... são só lágrimas.
A cada dia há sempre a esperança que algo me faça acreditar que minha vida deva se prolongar até o dia seguinte.
Mas não.
É um dia, só mais um.
E prossigo na esperança de encontrar algo que me motive a prosseguir.
Cada pessoa, um continente.
Cada novo amor, a esperança da lendária e proibida fundição.
E amo, com a esperança de um dia ter a quem amar.
Um dia.
Cada dia.

Nenhum comentário: